O Palhaço que Voltou dos Mortos

14:44Drika Rili

Era uma manha normal, eu estava com a minha irmã e com o meu vizinho brincando na rua, jogando bola quando passou um caminhão. Era um caminhão de circo e ao lado dele estava escrito "O Palhaço Tito Chegou" com uma letra horrenda cor de sangue mas para uma criança de 9 anos não tinha problema. E porque teria? Mas teve muitos problemas. Decidimos ir no circo as 6 da noite mas não avisamos nossos pais, apenas fomos.
Chegamos no circo, era uma lona toda velha e remendada pintada de vermelho, não tinha multidão e nem nada perto do circo. Entramos por debaixo da lona, estava tudo escuro, não havia platéia nem nada, comentamos uns com os outros que talvez o circo ainda tivesse fechado, mas fizemos a pior coisa, decidimos andar pelo circo mesmo assim. Chegamos no centro do circo e a dez passos a nossa frente acendeu uma luz com um palhaço alto com um macacão roxo com cabelos verdes e com um sorriso largo e o que mais me chamou a atenção foram seus olhos sem expressão e sem vida, ele estava com uma das mãos atrás das costas eu admito eu tive muito medo de olhar para ele. Quando começamos a recuar, ele falou "Thomas, venha até aqui". Como ele sabia o nome do meu vizinho? Ninguém havia falado nada! Mas mesmo assim Thomas foi em direção a ele. Quando Thomas chegou perto dele, ele tirou a mão de trás das costas e em suas mãos havia um machado. Thomas tentou correr  mas o Tito arrancou sua cabeça com apenas uma machadada. Vejo seu corpo cair jorrando sangue para todo lado, ao ver essa cena eu segurei na mão de Natali e sai correndo em direção a escuridão.
Corremos muito mas parecia que não saiamos do lugar. Senti um puxão no meu braço e escutei um grito de Natali. Continuei a puxar Natali para ela não ser pega pelo palhaço e ele continuava a puxar ela com força, ela começou a chorar e a gritar de dor com uns soluços altos, então o palhaço com o seu machado arrancou fora o braço da minha irmã, eu cai no chão e escutei Natali gritar de dor até o momento que ela se calou. Não a vi, mas tinha certeza de que ela estava morta. Me levantei e sai correndo, então tudo foi ficando mais escuro e mais silencioso. Parei e comecei a procurar o palhaço e escuto ela falar "Está se divertindo?". Corri em direção ao nada nessa escuridão, então escutei o palhaço falar de novo, só que dessa vez mais perto de mim. "Está se divertindo?" e cada vez ele falava isso mais perto de mim. "Está se divertindo? Está se divertindo?". Até que uma faca entrou em minha coxa, me fazendo chorar e gritar de dor. Senti a lamina gelada da faca dentro de mim, meu sangue escorria muito, cai no chão e as luzes se acenderam, na minha frente estava ele parado me olhando e rindo de uma forma bem assustadora. Ele deixou cair seu machado no chão, se agachou na minha frente, tirou lentamente a faca da minha coxa e veio subindo a faca pelo meu dorso rasgando minha blusa e fazendo um corte logo, mas não fundo, pelo meu peito.
Olhei para o lado para não ver o rosto cruel dele e vejo Natali com as tripas para fora e com seu pescoço degolado ainda vazando sangue, o palhaço com suas mão cheias de sangue ficou esfregando ela na minha cara, ele pôs a faca no meu pescoço e disse "Está se divertindo? Pois eu estou" quando ele começou a pressionar a faca em meu pescoço, um homem apareceu e o jogou no chão. Com sua faca, o homem o acertou várias vezes o rosto e peito do palhaço que não parava de rir, até o momento que o homem ficou todo ensanguentado. O palhaço morreu e vi que o homem que o matou era meu pai. Ele me pegou no colo e olhou o corpo da minha irmã morta. Meu pai tampou meu olho e me tirou daquela cena horrível. Em casa ligamos para a polícia, fizemos tudo o que poderíamos fazer, uns dias depois no enterro de minha irmã, senti algo estranho como se ele estivesse lá, mas eu não o achava.
Vinte anos se passaram e eu nunca me esqueci disso.Só venho a escrever essa história pois mesmo tendo feito anos e anos de terapia, não adiantou e eu estou ficando louco de novo, sinto que vou morrer em breve. Uma noite eu escutei alguém andando pela minha casa, me levantei da cama e fui verificar. Fui andando pela casa e cheguei na frente da escada, lá em baixo no pé da escada estava ele, parado com o seu machado em mãos. Ele me olhava de uma forma assustadora, mas ele estava diferente, com um do seus olhos com uma cicatriz em X e com a sua boca costurada em tom serio, seu macacão estava todo rasgado no local em que meu pai deu as facadas nele, e mesmo com a sua boca costurada eu escutei ele falar "Está se divertindo?". Ao escutar essa frase, corri para meu quarto e me tranquei lá. Sei que parece loucura, mesmo sabendo que ele estava morto, eu acredito que ele está vivo por ai. A noites não durmo, eu acho que estou ficando louco. Eu o vi ser morto, ele não podia estar ali de novo mas estava, eu o vi. E agora o que será de mim eu não sei, só sei que um dia ele me vai me pega e não será daqui a muito tempo.
Esse historia foi contada pelo meu amigo virtual que andava muito nervoso com algumas coisas, eu lhe perguntei o que estava acontecendo e ele me falou tudo isso. Transcrevi a história e quero mostrar ao mundo o que aconteceu com ele e porque ele sumiu, faz 3 meses que não converso com ele.

Enviado por: Carlos H. Fachinelli

Você também pode gostar de

0 comentarios

Popular Posts

Formulário de contato